AES Eletropaulo usa película para reduzir consumo de energia do INCOR

AES Eletropaulo criou o Consumo Inteligente – uma campanha que busca soluções para o uso mais adequado da energia elétrica envolvendo grandes clientes. Entre os casos de maior sucesso está o projeto para o Instituto do Coração - o INCOR, que instalou uma película em toda a fachada envidraçada do instituto, que reduziu o calor absorvido pelo prédio em função da radiação solar. Com isso o sistema de ar condicionado passou a ser menos exigido, reduzindo o consumo de energia elétrica.
Os resultados foram significativos: redução de até 7°C na temperatura interna dos ambientes, melhorando a sensação térmica tanto para os profissionais como para os pacientes, reduzindo o consumo em até 737MW h/ano, o que pode significar uma economia de até 140 mil reais neste período.

Fonte: AESEletropaulo – YouTube

  Película transparente reduz risco de acidentes.

Nova película evita a perda da noção de velocidade, melhora a visibilidade no trânsito e protege os olhos da radiação UV.

Uma das maiores causas de acidentes no trânsito é o excesso de velocidade. Levantamento do DER (Departamento de Estradas de Rodagem) mostra que esta foi a infração mais frequente em 2014. Provocou cerca de 3 milhões de multas só no estado de São Paulo. O oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, perito em medicina do trânsito e membro da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina do Tráfego) afirma que o alto número de motoristas multados está relacionado não só à imprudência, como também ao uso de película muito escura nos vidros do carro. Isso porque, explica, diversos estudos demonstram que no escuro perdemos a noção de velocidade. O problema, observa, é que de acordo com uma estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde), trafegar 5% acima da velocidade permitida aumenta em 20% a chance de acidente grave.    

A boa notícia é que um novo tipo de película transparente pode ser aplicada no vidro dianteiro do carro sem prejudicar o conforto e a saúde. Isso porque reduz a absorção de calor, evita danos no interior do carro e filtra a radiação UV (Ultravioleta) que aumenta o risco de surgir doenças oculares como  catarata, pterígio, ceratite e degeneração macular.

Visibilidade
Queiroz Neto ressalta que cerca de 50% dos motoristas precisam usar lentes com grau para corrigir vícios refrativos (miopia, hipermetropia,astigmatismo) ou já têm algum grau de catarata. "Estas alterações visuais diminuem o reflexo, a rapidez de leitura, a percepção de profundidade, contraste e visão de cores", afirma. Quanto mais escura a película, maior o prejuízo dessas funções. Por isso, ele acredita que a nova película reduz o risco de acidente para este grupo, embora a legislação permita transmissão luminosa de 75% nos vidros dianteiros incolores e de 75% nos coloridos.

Dicas
O especialista explica que na luz do dia são as células da retina conhecidas como cones que respondem pela visão de cores e detalhes. Conforme escurece são os bastonetes, células sensíveis à luz, que passam a responder pela formação das imagens. Esta transição faz com que no entardecer os míopes percam até 25% da acuidade visual e quem tem astigmatismo ou catarata sinta mais ofuscamento.

As dicas elencadas pelo médico para manter a boa visibilidade no final da tarde são:
- Use lentes amarelas para reduzir o ofuscamento e melhorar a visão de contraste.
- Na neblina acenda o farol baixo e fique atento ao velocímetro.
- Ligue o ar condicionado para desembaçar o vidro dianteiro.
- Mantenha os faróis e vidros limpos.
- Utilize lágrima artificial caso sinta os olhos ressecados.

Fonte: expressomt.com.br
18/02/2015

  Película: já tem transparente para evitar de infringir a lei.

A película que escurece os vidros do automóvel, chamada de “insufilm”, é dos acessórios mais procurados no mercado por dois motivos:

1º – O estético, pois personaliza e moderniza o automóvel;
2º – O prático, pois filtra os raios solares e reduz a temperatura interna do automóvel exposto ao sol.

Existe, entretanto, uma limitação legal para o escurecimento dos vidros. São os percentuais mínimos de transmitância luminosa, que variam de 75% para o para-brisa, 70% para os vidros laterais dianteiros e 28% para os demais. Este limite legal raramente é respeitado e a maioria dos automóveis com estes filmes roda ilegalmente.

Muitos são multados e alguns são até apreendidos pela polícia. Como saber se um automóvel está ou não dentro do limite legal? Só com um aparelho chamado luxímetro, que, aplicado sobre o vidro, indica sua transmitância luminosa. As lojas que vendem estas películas gravam nelas o percentual, mas este registro só seria válido se os vidros colocados pela fábrica do automóvel fossem completamente transparentes. Como eles são ligeiramente esverdeados, deve-se somar o percentual do vidro com o da película para se ter o valor real.

Deixando o efeito estético de lado, já foi desenvolvido um novo filme transparente que não escurece o vidro, mas pode ser considerado um verdadeiro protetor solar que barra em até 34% a incidência de raios solares no interior do carro e tem uma eficiência de até 99% em relação aos perigosos raios ultravioletas.

Por serem transparentes, podem ser instalados em qualquer vidro do automóvel, inclusive no próprio parabrisas, sem infringir nenhum dispositivo legal.

Fonte: hojeemdia.com.br
12/02/2015

  Película para os vidros reduz a absorção de calor no carro.

AutoEsporte mostra as vantagens da película transparente na climatização do carro.

O programa AutoEsporte mostrou como uma película neutra  pode diminuir o calor e proteger o interior do carro sem influenciar na visibilidade do motorista ou infligir as leis de trânsito. Além de mostrar o produto, a matéria realiza teste comparativo entre carros com e sem película, comprovando suas vantagens.

Fonte: Globo.com
Jan 2015

  Workshop InterControl é suceso em Ponta Grossa-PR.

Lançamentos em películas, técnicas de instalação e tendências de marketing. Este foi o mix de informações e oportunidades apresentadas no Workshop INTERCONTROL realizado em Ponta Grossa no final de 2014. Com parceria da Infinity – distribuidora da marca na região – o evento reuniu mais de 53 participantes em um dia especial. O ambiente foi de intensa troca de experiências, com palestras de Francisco Castro Junior, Presidente da InterControl; apresentações  de Luciano Deolindo e Guilherme Olivato, Consultores Técnicos InterControl;  e demonstrações de instalação de Michel Cypriano e Ângelo Carneiro,  Presidente e Consultor Técnico da Infinity.

 

 

Segundo Francisco Júnior, o principal objetivo do evento foi amplamente alcançado, “que é levar aos instaladores e outros empreendedores do setor todo o potencial InterControl para impulsionar seus negócios – seja com tecnologia diferenciada para atender as necessidades de cada cliente, no ganho de rendimento na realização dos serviços ou na multiplicação das melhores práticas”.

Para os participantes, foi uma oportunidade única para tirar dúvidas e ampliar a parceria com a marca.

      

  Pelo segundo ano consecutivo, estepe é o item mais roubado nos carros

"Película antivandalismo dificulta a ação de invasores num eventual roubo ou assalto"

SÃO PAULO – Um levantamento realizado pela Carglass, especialista em reparo e troca de vidros automotivos, aponta que o estepe é ainda o item mais furtado com 40% das incidências. No ano passado, o item também foi considerado o mais visado pelos ladrões.

Os dados mostram que depois do estepe, as bolsas e aparelhos de som são os mais roubados, com 7% e 3%, respectivamente. Outros itens somam 23% dos casos; já em 27% dos casos, houve a tentativa de roubo, mas nenhum item foi levado.

De acordo com o supervisor técnico da empresa, Marcos Canteri, algumas medidas de precaução como não deixar nada dentro do carro que desperte atenção ou estacionar em local iluminado podem inibir uma ação indesejada. "Devemos também evitar guardar documentos no carro, certificar-se sempre do fechamento das portas e evitar adesivos com informações pessoais. Isso já ajuda a evitar algumas ações", afirma.

Além disso, Canteri lembra que a película antivandalismo também dificulta a ação de invasores num eventual roubo ou assalto, já que retém os estilhaços do vidro no momento da quebra.

"Ela não pode ser considerada uma blindagem, porque não retém tiros, mas um vidro automotivo sem película leva em média três segundos para ser arrombado. Com esse dispositivo, a mesma ação dura de 30 segundos a dois minutos, dependendo da espessura instalada".

Fonte: infomoney.com.br
01/10/2014

  Fiscalização das películas somente em táxis e vans

Repercussão negativa na comunidade faz com que prefeitura utilize equipamento apenas em veículos de transporte.

A notícia de que o Departamento Municipal de Trânsito (DMT) iria começar a fiscalizar as películas dos veículos de passeio, publicada com exclusividade pelo Semanário na quarta-feira, 27 de agosto, provocou uma verdadeira revolta na comunidade e fez com que a prefeitura recuasse no uso do equipamento nas ruas. Em comunicado oficial, a Secretaria de Gestão e Mobilidade Urbana afirma que a medição ocorrerá, inicialmente, em veículos de transporte de passageiros, como táxis e vans. Nas ruas, não há data definida para a fiscalização ser realizada.
A publicação da reportagem provocou inúmeros comentários no site e na página do facebook do jornal, a grande maioria contrária à fiscalização. O secretário Mauro Moro e o prefeito Guilherme Pasin foram interpelados por pessoas da comunidade e proprietários de estabelecimentos comerciais sobre a medida. A prefeitura apressou-se em divulgar um comunicado, ainda na quinta-feira, 28 de agosto, de que somente táxis e vans seriam fiscalizados e não os carros de passeio.

Fonte: jornalsemanario.com.br
29/08/2014

  Mais de 800 motoristas em São Luís são multados por excesso de película

O número de multas pelo uso indevido de película nos vidros dos automóveis vem crescendo em grande escala na capital maranhense. Só este ano, já foi registrado pelas ruas e avenidas de São Luís um total de 853 multas pelo excesso de película.
O equipamento que averigua ou não o excesso da transparência é conhecido como medidor de transmitância luminosa e é usado, principalmente, nas operações de trânsito. Ele tem como função primordial impedir que os condutores não ultrapassem a visibilidade permitida durante o tráfego.
Para evitar que esta estimativa continue a crescer as autoescolas da cidade estão investindo cada vez mais nos cuidados para ensinar os alunos sobre os limites permitidos.

Fonte: g1.globo.com
04/08/2014

  Inicia a fiscalização das películas em Bento Gonçalves-RS

Após chegada do equipamento de medição, DMT pretende intensificar trabalhos contra aplicações irregulares em veículos. O equipamento permitirá que os agentes verifiquem a densidade do adesivo colado nos carros.
O equipamento, no valor de R$7,9 mil, emite um feixe de luz entre dois imãs posicionados de ambos os lados do vidro, assim possibilitando ao agente de trânsito saber precisamente a densidade da película aplicada. A fiscalização nas ruas inicia nesta semana.

Fonte: jornalsemanario.com.br
26/08/2014

  Projeto de lei obriga empresas a instalarem película nos ônibus de Manaus

A proposta determina que todos os veículos das empresas que operam na cidade tenham película de filtro solar.

Segundo o texto do projeto, pesquisas comprovam que a exposição exagerada ao sol é prejudicial por causa da radiação ultravioleta muito intensa na região. Foto: Raphael Alves/ Acervo DA

Manaus - A instalação de película de filtro solar nos ônibus da frota das empresas de transporte público de Manaus poderá ser obrigatória se o Projeto 187/2014, de autoria do vereador Ednailson Rozenha (PSDB), for aprovado pela Câmara Municipal de Manaus (CMM).
Os vereadores aprovaram a tramitação do projeto, que seguiu para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) e deverá ser votado novamente no plenário da Casa na próxima semana.

Foto: Raphael Alves
Fonte: http://new.d24am.com - 08/05/2014

  Segurança: taxistas não concordam com retirada de película dos veículos

Após o assassinato de um taxista em Arapiraca, no dia 29 de março, a categoria cobrou mais segurança, as blitz da Polícia Militar foram intensificadas e a categoria afirma que está se sentindo mais segura, no entanto, os taxistas não concordam com a retirada das películas dos veículos.

Segundo o presidente da Associação dos Taxistas de Arapiraca, Osmair Martins, a sugestão da retirada da película foi do comandante do 3º Batalhão, coronel Thulio Emery, mas os taxistas não aceitaram.

“A retirada da película não é de competência do município, mas do Estado. Eu enviei um ofício colocando que não aceitamos, mas o superintendente da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), Ricardo Teófilo, está mandando arrancar as películas”, contou.

Osmair explicou que é permitida a película de 25% na parte dianteira do veículo, 50% na parte traseira lateral e 75% no para-brisa traseiro, mas para constatar a porcentagem é preciso de um medidor. “Eu entendi a sugestão do coronel como válida, mas tirar a película não vai resolver”, salientou.

Para Osmair, se a decisão fosse tomada, teria que servir para todos não só para os taxistas. “É uma faca de dois gumes muitas vezes a película nos protege. Se o assaltante visualizar que você está sozinho é pior. Além disso, protege também dos raios solares contra câncer de pele”, completou.

O presidente da associação afirmou que pretende ter uma reunião com o superintendente sobre a questão da película o quanto antes. “A categoria está me cobrando”, concluiu.

A reportagem tentou entrar em contato com representantes da SMTT, mas não obteve êxito.

Fonte: 7segundos.com.br - 08/05/2014

  Projeto de Jean Kuhlmann
 
proíbe uso de película automotiva nos veículos de transporte de passageiros

Deputado Jean Kuhlmann (PSD).
Foto: Lucas Gabriel Diniz / Agência AL
Pensando na segurança dos catarinenses que utilizam táxis, vans, micro-ônibus, ônibus e transporte público em geral, o deputado Jean Kuhlmann (PSD) apresentou à Assembleia Legislativa projeto que proíbe o  uso de película automotiva nos veículos destinados ao transporte de passageiros.

Pelo projeto, a proibição das películas se dará no para-brisa, vidros laterais dianteiros e traseiros e vidro traseiro dos veículos. A proibição prevista pela matéria não se aplica a adesivo perfurado no vidro traseiro, para a exploração de propaganda.

O deputado lembra que o número de assaltos a motoristas, passageiros e cobradores tem crescido de maneira alarmante e traumatizando os que sofrem com a violência e a insegurança. Segundo dados da Polícia Militar, já foram registrados este ano 17 casos de roubo a taxistas, somente na Grande Florianópolis.

"A iniciativa sem dúvida vai inibir a ação de criminosos que pretendem agir contra motoristas ou passageiros a bordo. A ausência de película permitirá maior visibilidade ao interior dos veículos, desestimulando especialmente roubos e sequestros", destaca Kuhlmann.

Fonte: agenciaal.alesc.sc.gov.br - 20/03/2014.

  Proibidas, películas escuras e espelhadas são comuns nos carros em Umuarama

Umuarama – Além de rodas, som potente e bancos de couro, outro item que tem seduzido os motoristas – pelo menos em Umuarama – são as películas para escurecer os vidros dos carros. O adorno, no entanto, tem restrições previstas no Código Nacional de Trânsito (CNT) e a Polícia Militar (PM) está de olho em exageros.

Não existem estatísticas oficiais sobre apreensões relacionadas às películas em Umuarama, conforme o 25º Batalhão de Polícia Militar (25º BPM), no entanto, para os comerciantes do setor, a média de aplicação de películas é de 90 carros por mês. “Eu já fiz até de gente que a polícia mandou tirar e a pessoa voltou no mesmo dia para colocar”, explica Ademir Chagas.

O artigo 230 do CNT prevê que as películas devem manter pelo menos 75% de visibilidade, ou seja, entrada de luz. Isso significa que películas mais escuras que deixam os vidros do carro com pouca visibilidade, são expressamente proibidas. “Não podem ser colocadas no para-brisa da frente e as espelhadas são completamente ilegais”, explica o tenente Diógenes da Silva, do 25º BPM.

Mesmo assim, de acordo com o empresário, aproximadamente 20% dos clientes da loja optam pela película espelhada. “Mais os jovens, entre 20 e 30 anos, preferem o espelhado. O outro pessoal prefere o 50% [de visibilidade]”, revela. A aplicação custa de R$ 70 a R$ 120 dependendo do modelo do carro e o trabalho demora de 2 a 4 horas para sem concluído.


A restrição à película espelhada é uma questão de segurança, de acordo com a PM. “A luz e o sol podem refletir na película e atrapalhar a visão dos outros motoristas”, explica o oficial. Em contrapartida, mesmo na película tradicional as de 20% e até 5% de visibilidade são procuradas pelos clientes.

Ilegalidade de fábrica
O carro zero pode não sair completo da concessionária, mas, quando sai, um dos itens opcionais mais pedidos é o chamado “insufilm”. Acontece que na própria concessionária existe uma artimanha usada para driblar as películas irregulares. Muitas delas adulteram a informação do percentual de visibilidade que deve estar contida na lateral do vidro frontal.


A estratégia é informar um percentual maior de visibilidade, mesmo com a película mais escura. A reportagem procurou alguns funcionários de concessionárias e empresários do ramo que confirmaram a existência da fraude, em alguns casos. Para quem desrespeita a Lei o valor da multa é de R$ 127,69 e, claro, a retirada da película antes de voltar a rodar com o carro.

Fonte: tribunadonorte.com.br – 24/01/2014

  Vistoria para retirada de película começa em Florianópolis

Dezenove táxis foram vistoriados nesta terça-feira.

No primeiro dia de fiscalização duas películas foram removidas

Com o objetivo de fiscalizar se os taxistas retiraram as películas de seus veículos, nesta terça-feira (18), 19 taxistas foram até a cabine da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, próxima ao Terminal de Integração do Centro (TICEN), para que os carros fossem vistoriados. Todos os veículos que prestam o serviço Florianópolis continuarão a ser inspecionados nos próximos dias.

No primeiro dia de ação, os fiscais removeram películas de dois carros que ainda não tinham cumprido a norma. Foram emitidos oito comunicados para que os taxistas reparem danificações como pneus desgastados, para-choques quebrados ou arranhados e letreiro da caixa luminosa fora do padrão.

A medida é para garantir a segurança dos motoristas do serviço de táxi e auxiliar o trabalho da Polícia Militar em tentar coibir os assaltos, uma vez que, sem as películas, os policiais têm mais visibilidade para perceber situações de risco. O veículo que ainda estiver com as películas, independente do percentual de transparência, será multado em 60 UFIR, equivalente hoje a R$ 63,85.

Fonte: tudosobrefloripa.com.pr  – 18/03/2014

  Retirada da película fumê gera polêmica entre a categoria dos taxistas em Arapiraca

Preocupados com os crescentes índices de assaltos, taxistas arapiraquenses estiveram reunidos com o comando do 3º Batalhão reivindicando maior ação da Polícia Militar no combate a violência.

Ficou definido entre as partes, que o tenente Coronel Thúlio Emery garantiu que irá determinar que as viaturas policias realizem no mínimo 10 abordagens por turno.

O comandante marcou a realização de uma reunião com o Ministério Público (MP) e a Superintendência Municipal de Transporte e Transito -  (SMTT) que irá regulamentar a forma de atuação ao combate de taxistas que atuam na  condição de clandestinos.

O Comandante sugeriu que os taxistas retirassem a película fumê dos veículos, e solicitará a autorização para realização do serviço seja condicionada a retirada da proteção. Também ficou acordado com os representantes da categoria, a criação de uma parada obrigatória no Posto Rodoviário do 3º BPM.

A proposta da retirada da película fumê está provocando muita polêmica na categoria dos taxistas em Arapiraca, que consideram como medida de proteção contra o sol.
Outro fator colocado está relacionado  manter a privacidade no interior do veículo quando do transporte de casais para motéis, em alguns casos mulheres casadas e travestis.

A categoria defende como medida de conter a violência e os assaltos, intensificação de blitz abordagens e maior número de policiais ostensivos nas ruas. De acordo com alguns taxistas a retirada da película fumê pode causar a perda de muitas corridas. A decisão deverá ser tomada em uma assembleia geral da categoria proposta pela Associação dos Taxistas de Arapiraca.  

Fonte: cadaminuto.com.br – 20/03/2014

  Aprenda a aumentar a durabilidade da película de proteção solar e quando trocá-la.

Matéria alerta para os sinais de desgaste das películas de proteção solar e mostra como realizar a troca, avaliando qualidade e durabilidade do material. Confira!

Fonte: g1.globo.com/autoesporte/videos 13/10/2013

  Prefeito de Governador Celso Ramos é parado pelo uso de película

Prefeito se sentiu desconfortável com armas apontadas e desaprovou conduta da PM; Polícia diz que agiu da forma correta

Um carro oficial de Governador Celso Ramos, passou por uma abordagem policial na tarde dessa quarta-feira (16), em São José. A princípio, a abordagem ocorreu por conta da película usada no veículo, mas a forma como isso foi feito gerou desconforto para o prefeito Juliano Duarte Campos, que estava no veículo.

Campos conta que trafegava por uma rodovia de São José vizinha ao bairro Capoeiras, em Florianópolis, e que estaria a uma velocidade de cerca de 40 km/h quando uma viatura da Polícia Militar ligou a sirene. O prefeito então deu espaço para a viatura passar, mas quando percebeu os policiais estavam pedindo para que o veículo da prefeitura parasse.

A polícia estacionou atrás deles e o prefeito e o carona saíram do veículo. Com megafone, a polícia ordenou que os dois colocassem as mãos no capô utilizando armas apontadas em direção a eles. - Me assustei com a arma, e se ela dispara? -, questiona.

Em seguida Campos explicou qual era o seu cargo mostrando a carteira de prefeito e perguntou o motivo da abordagem. - Eles falaram que o carro estava fechado na película, mas eu uso até no meu carro pessoal, porque já fui ameaçado de morte no início da administração. Há alguns carros que são autorizados a utilizar. Se eles tivessem consultado a placa veriam que o carro é oficial, mas falaram que não tem a obrigação de verificar a placa -, diz.

Juliano disse ainda que os policiais agiram profissionalmente e foram educados na abordagem, mas não concordou com a forma que isso foi feito. Para ele, o carro deveria ter parado na frente e as armas apontadas para baixo.
O sub-tenente Moreira, do Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), explica que os policiais podem fazer abordagem com arma em punho dependendo da necessidade do momento. - Como o veículo tinha película, provavelmente os policiais não conseguiram identificar quem estava no carro e precisam defender primeiramente a guarnição, depois a comunidade e finalmente sanar a ocorrência -, explica.

Polícia agiu da forma correta, diz sub-tenente

Segundo ele, cabe a guarnição decidir a forma de fazer a abordagem. - Quando a viatura para em frente ao veículo abordado há um risco muito maior de sofrer alguma lesão -, explica.

Quanto à película, o sub-tenente explicou que ela é autorizada até um certo nível. Moreira lembra ainda que, se o prefeito achar que foi lesado pode ir à Corregedoria da Polícia Militar relatar a situação para que seja aberta sindicância para investigar a forma que os policiais agiram.

Fonte: TudosobreFloripa.acom.br – 16/10/2013

  Polícia fiscaliza uso de películas nos táxis de Vitória da Conquista

O sindicato dos taxistas de Conquista recebeu uma orientação da polícia com relação ao uso de películas nos veículos.
Em contato com a nossa reportagem, o presidente da categoria, Nilson Pinheiro, revelou que, caso os profissionais não estejam dentro da lei, as películas terão que ser retiradas.

“Todo mundo sabe que existe uma certa porcentagem para o uso desse artifício. A polícia vai exigir, também, o uso de selos nos veículos. Caso a utilização da película seja de forma excessiva, a empresa que realizou o trabalho será autuada, assim como o profissional”, explica.

Fonte: Blog do RodrigoFerraz.com.br – 21/08/2013

  Polícia exige retirada de película fumê nos táxis em Vitória da Conquista

Uso de películas em automóveis divide opiniões em todo território nacional.

Proteção, conforto e privacidade. Esses são benefícios apontados por boa parte dos consumidores na hora de justificar a aplicação de películas em seus automóveis. As mulheres e idosos se sentem mais protegidos. Uma reportagem recente de uma emissora de TV em São Paulo comprovou que os assaltantes preferem os automóveis com vidros transparentes para a prática criminosa.

Em Vitória da Conquista, a PM deu prazo de 48 horas aos motoristas de táxis para retirada das películas não autorizadas conforme Lei vigente no Brasil. O Conselho Nacional de Trânsito (Conatran) estabeleceu em 2007 algumas regras para aplicar o filme. Pela lei, os vidros da frente devem ter pelo menos 75% da entrada de luz, enquanto os vidros laterais dianteiros são 70%. Para os vidros traseiros (laterais e de trás), a película pode ficar mais escura e deve manter a transparência em no mínimo 28%.

O presidente do Sindicato dos Motoristas de Taxi, Nilson Pinheiro, falou sobre a proibição imposta aos taxistas. “Em parte eu concordo com a polícia. Existe motorista de taxi que coloca película muito escura até no para-brisa dianteiro”, disse Pinheiro.

Fonte: Blog Resenha Geral.com.br – 21/08/2013

  Projeto pune empresa que vender película irregular para vidro de carro

BRASÍLIA (Agência Câmara) -  As empresas  que falsificarem dados sobre a transparência de película aplicada em vidros de carros podem ser punidas de acordo com as regras do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), que estabelece multa e cassação de licença, entre outras sanções. A medida está prevista no Projeto de Lei 5364/13, do deputado Major Fábio (DEM-PB).

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) já estabelece hoje uma transparência mínima para as películas de janelas. As empresas responsáveis pela aplicação devem fazer uma gravação no material contendo a marca do instalador e o índice de transmissão luminosa do conjunto vidro-película.

“O problema é que a grande maioria das empresas que trabalham com a aposição de películas, inclusive concessionárias autorizadas, aplica películas muito mais escuras do que o permitido para as áreas consideradas indispensáveis à dirigibilidade e simplesmente colocam a chancela referente ao percentual permitido”, alerta Major Fábio.

A responsabilização das empresas, segundo o deputado, deve proteger os motoristas de boa-fé, que acreditam que compraram películas dentro das regras do Contran, mas transitam com carros irregulares. De acordo com o PL 5364/13, as instaladoras de películas também deverão fornecer aos proprietários de veículos um certificado com dados da empresa e da transparência do material vendido.

Fonte: O Reporter.com – Política – 26/07/2013

  Hiram Nicolau apresenta PL que proíbe película em ônibus escolares e de turismo

O ouvidor da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Hiram Nicolau (PSD), protocolou nesta quarta-feira (19), o Projeto de Lei nº 245/2013, que proíbe a instalação de película (insulfilme) nos vidros dos veículos destinados ao transporte escolar e de turismo em Manaus.

O parlamentar explica que o Projeto visa impedir a utilização de películas que dificultem a visão da parte interna dos veículos garantindo a segurança desse grupo de passageiros. Hiram ressaltou que a medida prioriza duas ações principais: coibir atos de violência contra crianças, adolescentes e turistas e facilitar a fiscalização quanto à utilização dos dispositivos de segurança.

“A transparência na visualização desse tipo de veículo facilita o trabalho dos fiscalizadores do trânsito que podem averiguar com maior facilidade se os passageiros estão sentados e com cintos afivelados e com a capacidade de passageiros prevista para o tipo de carro autorizado. Outro efeito positivo será para a polícia que terá melhores condições de garantir a segurança desse grupo de passageiros”, defendeu Hiram.

Pela proposta do vereador, o descumprimento da Lei acarretará ao infrator multa de 20 Unidades Fiscais do Município (UFMs). Atualmente, a UFM está  em R$ 74,59. Em caso de reincidência, será multado no valor correspondente ao dobro da multa principal, além de suspensão do certificado de registro e vedação à participação em concorrência pública em Manaus.

Fonte: cmm.am.gov.br – Notícias- 20/06/2013

  Banco Central instala película antivandalismo nas vidraças

Película antivandalismo dificulta a ação de invasores num eventual roubo ou assalto

BRASÍLIA — Para se proteger dos ataques em manifestações populares, o Palácio do Itamaraty e o Banco Central encomendaram, nesta sexta-feira, películas especiais de proteção que aguentam um impacto de até uma tonelada e não permitem que os vidros sejam estilhaçados. O material foi instalado nesta tarde na fachada da autoridade monetária. As portas giratórias do BC foram fechadas com divisórias de madeiras por causa da manifestação prevista para o sábado. Desde segunda-feira, os seguranças passaram a ostentar armas mais pesadas — de calibre 12 — que, segundo a assessoria da autarquia, passarão a ficar guardadas e só serão usadas em caso de necessidade.

Para instalar as películas, o Banco Central contratou o serviço de emergência da empresa Capital Films, que confirmou que o mesmo serviço será feito no Ministério das Relações Exteriores. Por ele, a autoridade monetária pagará R$ 8 mil. Justamente, o valor limite de contratação para ser feito sem licitação. Por isso, o filme será colocado apenas em pontos estratégicos. Oficialmente, o BC diz que já havia programado essa instalação. Na quinta-feira, a autoridade monetária foi alvo de um grupo de cerca de cem manifestantes. Foram quebrados dois vidros da fachada do edifício. Ainda não foi calculado o prejuízo.

Nas ruas, o BC é criticado por não controlar a inflação que, hoje, ultrapassou o limite da meta de 6,5%. E está em 6,67%, apesar de mostrar uma desaceleração nos dados mais recentes. Por outro lado, o Banco Central também é criticado justamente pelo contrário – por voltar a subir os juros. Por causa da inflação alta, a autarquia já fez duas altas na taxa básica (Selic) que está em 8% ao ano.
Questionado sobre a quebra das vidraças e pelo fato de ser alvo dos protestos, o chefe do departamento econômico, Túlio Maciel, esquivou-se da pergunta feita durante a entrevista coletiva sobre as contas externas. — Eu vou me manter no foco do setor externo.
Por causa do protesto, o BC decidiu fechar o Museu de Valores e a galeria de arte da instituição para a visitação popular até o dia 2 de junho. Aos jornalistas, a assessoria do BC confirmou que os seguranças terceirizados passaram a usar armas mais pesadas desde o início da semana por causa do recrudescimento das manifestações. No entanto, informou que – depois de ontem – esse armamento ficará guardado até que seja necessário o uso de armas letais.

Fonte: O Globo.com – Pais – 21/06/2013

  Transportes libera película em veículos de transporte coletivo escolar

A Prefeitura de Suzano, por meio das secretarias de Trânsito e Mobilidade Urbana e de Assuntos Jurídicos, modificou a redação do art. 13 do decreto Municipal nº 7274, de 8 de novembro de 2004, e agora veículos de transporte coletivo escolar podem utilizar película automotiva (insulfilm).

Segundo o secretário de Trânsito e Mobilidade Urbana, coronel José Ferreira dos Santos, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) autoriza a utilização do material. “Alguns proprietários de veículos escolares questionavam em relação a essa proibição, porque uma lei Nacional autorizava e uma municipal não? Por isso que alteramos o decreto”.

O secretário acrescentou ainda que o insulfilm ajuda a evitar estilhaços de vidros se acontecer algum acidente com o veículo. “O material evitará que os estilhaços afetem as crianças. Outra situação é em relação ao contato direto com o sol. Sem insulfilm o interior do veículo aquece e acaba incomodando quem está no interior do mesmo”.

Em 21 de novembro de 2007 o Contran estipulou a resolução 254, de 2007, que passou a delimitar a porcentagem de luminosidade mínima para cada vidro do carro. Segundo os dispositivos dessa resolução, vidros frontais devem manter no mínimo 75% da entrada de luz, vidros laterais dianteiros, 70%, vidros laterais traseiros, 28%, e vidro traseiro, 28%. E é importante que todos indiquem por meio de chancela os seus graus.
E caso o motorista se preocupe apenas com estilo e ultrapasse esses limites estará sujeito a multa e perderá cinco pontos na carteira. O principal objetivo da colocação do insulfilm é a segurança, seguida da privacidade. Existem hoje no mercado vários modelos de películas com especificações diferentes que ajudam a proteger a pele do sol, manter a temperatura do ambiente, reduzir ruídos ou até criar uma barreira antivandalismo. Algumas películas chegam a reforçar o vidro em 18 vezes, e protegem o motorista e os passageiros de estilhaços em caso de impacto, além de barrar 99% os raios UV.

O decreto municipal cita ainda que os veículos a serem utilizados na execução do serviço de transporte coletivo de escolares deverão ter idade máxima de 15 anos para microônibus e vans, 20 para ônibus e dez anos para veículos com motorização refrigerada a ar.

Secretaria de Comunicação Institucional (SECOI)

Fonte: Prefeitura de Suzano – Notícias - 13/05/2013

  Vans intermunicipais do RJ também têm película escura proibida

Medida, já válida na capital, começa a valer na próxima terça-feira (16).
Multa por desrespeitar a portaria é de R$ 2.142,07. 

O Departamento de Transportes do Estado do Rio (Detro) decidiu pegar carona na lei da Prefeitura do Rio e a partir da próxima terça-feira (16) também vai proibir o uso de película escura nos vidros das vans intermunicipais. A medida, de acordo com o Detro, quer garantir maior segurança para os passageiros e facilitar as ações de fiscalização. A determinação já foi regulamentada por portaria publicada no Diário Oficial do Estado.

Desde segunda-feira (8), as vans municipais estão proibidas de circular com película escura nos vidros. A Prefeitura do Rio decidiu adotar essa medida após um casal de turistas terem sido atacados dentro de um van, em 30 de março. Anteriormente, as vans intermunicipais podiam circular com o acessório, desde que atendessem os padrões estabelecidos pelo Detran.

Sem a película, segundo o Dentro, será mais fácil fiscalizar e identificar irregularidades, como superlotação. O motorista que desrespeitar a portaria terá de pagar multa de R$ 2.142,07. E caso seja flagrado uma segunda vez desrespeitando a lei, o valor da multa será o dobro.

Fonte: G1 Rio - 11/04/2013

  RJ: após estupro, decreto proíbe uso de película em vans.

Descumprimento acarretará em multa no valor de R$ 1.251,48

A prefeitura do Rio de Janeiro publicou na edição desta sexta-feira um decreto que determina a proibição do uso de película nos vidros em vans. A medida foi tomada após o caso do estupro de uma turista estrangeira dentro de uma van de transporte alternativo em região turística da cidade e que teve repercussão internacional.

O decreto entra em vigor a partir da próxima segunda-feira. O descumprimento acarretará em multa no valor de R$1.251,48 e apreensão do veículo.

Segundo a prefeitura, as películas dificultam a visibilidade do interior do veículo, prejudicam a compreensão por parte dos passageiros quanto à ocupação dos mesmos e comprometem a segurança de quem está na van. A lei regulamentada é específica para as vans do Transporte Especial Complementar e do Sistema Público Local.

Fonte: Noticias Terra - 05/04/2013

  Após crimes de estupro, prefeito do Rio proíbe uso de película em vans

Description: AISTDecreto publicado nesta sexta-feira (5) entra em vigor na segunda (8).
Pelo menos, três pessoas foram vítimas de estupro em van. Após a prisão de três homens suspeitos de estuprar três vítimas no Rio de Janeiro, entre elas uma turista americana - cuja violência durou cerca de seis horas -, o prefeito da cidade, Eduardo Paes, decretou nesta sexta-feira (5) que está proibido o uso de película nos vidros de vans. 

O decreto, que entra em vigor na segunda-feira (8), ressalta que a falta de visibilidade prejudica a compreensão por parte dos passageiros quanto à ocupação dos veículos, comprometendo a segurança dos passageiros. De acordo com a prefeitura, motoristas que forem flagrados desrespeitando a regra serão multados em R$ 1.251,48 e terão os veículos lacrados.

A proibição é específica para veículos regulamentados pelo Transporte Especial Complementar - TEC e pelo Sistema de Transporte Público Local - STPL (VAN).

O documento diz ainda que a Secretaria Municipal de Transporte (SMTR) deverá publicar resolução que adeque aos códigos disciplinares dos modais que viole a proibição.

Fonte: G1 Rio - 05/04/2013

  Insufilm pode ser proibido em vans e kombis

Description: AISTRio -  Vidros com películas escuras (insulfilm) de Kombis e vans do transporte alternativo do Rio podem estar com os dias contados. Se depender de Cláudio Ferraz, coordenador especial de Transporte Complementar da prefeitura, a medida, que será apresentada ao prefeito Eduardo Paes, pode trazer segurança aos cerca de 1 milhão e meio de passageiros que utilizam o sistema por dia — e poderia evitar o ataque à turista americana, violentada numa van ‘filmada’ no fim de semana.
“Essa é a melhor medida, pois a circulação com os vidros escuros dificulta a visualização e a fiscalização de quem está do lado de fora. Essa prática comum no Rio deve ser proibida. Vai dar mais segurança aos passageiros”, garantiu Cláudio Ferraz.

Segundo ele, a estimativa é que, das 12 mil vans e kombis que circulam no estado, seis mil são clandestinas. “Com os vidros escuros, as vans parecem uma caverna”, comparou o coordenador.

Fonte: O Dia - 04.04.2013

  Proibição de película sai da pauta

 A justificativa é de que o mecanismo confere
 mais segurança aos passageiros e protege contra acidentes.

Description: AISTO parlamentar Roger Ney (PP) retirou da pauta da Câmara de Vereadores o Projeto de Lei (PL) que proibia a colocação de películas insulfilm nos vidros dos veículos destinados ao transporte escolar. Integrantes da Associação do Transporte Escolar de Pelotas (AtPel) lotaram o Plenarinho na manhã de desta quinta-feira (7/03) e pressionaram os vereadores pela não votação do PL. A justificativa é de que o mecanismo confere mais segurança aos passageiros e protege contra acidentes, já que o filme seguraria o vidro em caso de quebra.

De acordo com o representante da AtPel, Marlei Bittencourt, sem o insulfilm, as crianças e jovens ficariam muito tempo expostas aos raios solares. “Os cortadores de grama soltam pedras, o que pode ser perigoso para os passageiros. Nossas justificativas são de quem vive o dia a dia da profissão”, diz.

Mesmo retirando o projeto da pauta, o progressista comprometeu-se em continuar com os debates acerca do tema. Nas próximas vezes, pais, proprietários e motoristas dos veículos também serão chamados ao debate. O projeto foi concluído com a justificativa de coibir atos de violência contra crianças e adolescentes, proporcionando a visualização do interior dos veículos.

Fonte: www.diariopopular.com.br

  Película transparente transforma-se em espelho instantaneamente

Description: AISTAs janelas são uma parte integrante das casas e são necessárias para quem quer iluminar o interior através da luz natural. Mas as janelas, tal como as conhecemos, podem estar a mudar.

É que o National Institute of Advanced Industrial Science and Technology  (AIST) criou uma película transparente que se pode transformar num espelho numa questão de segundos.

No entanto, existem sempre aquelas situações em que é necessário  bloquear a luz solar, que pode aquecer mais do que se quer o interior da casa. Antes, o normal seria fechar as janelas mas a AIST quer facilitar esse bloqueio. Bloquear o sol e o calor de uma forma mais fácil e rápida significa também uma poupança energética, já que não é preciso ter o ar condicionado a trabalhar, pelo menos de uma forma tão intensiva como anteriormente.

Esta camada adicional pode ser colocada em qualquer janela e funciona da seguinte forma: entre a camada que é colocada e o vidro fica um espaço de 0.1mm que é preenchido por ar. Ao aplicar uma carga elétrica a esse ar, neste caso uma corrente de 3V, a mistura transforma-se em hidrogénio que torna a camada num espelho.

Este processo demora apenas 5 segundos, já o processo inverso (transformar o espelho numa camada transparente) demora cerca de 10 minutos, por agora. A AIST está a fazer testes com um material diferente que pode baixar o tempo para apenas 30 segundos.

A AIST diz que este método é melhor do que o vidro eletrocrómico, já que tem uma maior eficácia na reflexão do calor.

Nada melhor do que ver o vídeo para compreender melhor a tecnologia:

Fonte: www.tecnologia.com.pt

  Pesquisadores desenvolvem película que converte luz em eletricidade.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia (UCLA) anunciaram na última sexta-feira (20/07) que estão desenvolvendo uma película que converte energia solar em elétrica.

A tecnologia está sendo criada com um novo tipo de plástico chamado PSC, que consegue converter a luz infravermelha em energia elétrica com 4% de eficiência.

Ferramentas semelhantes já tinham sido apresentadas antes. No entanto, os pesquisadores dizem que anteriormente as películas eram muito escuras, pois absorviam a luz visível. Desta vez, eles garantem 70% de transparência, sugerindo que a tecnologia possa ser utilizada até mesmo em janelas, gerando energia para a casa ou escritório.

Outro avanço na pesquisa fica por conta do material da película. Em comunicado, os pesquisadores da UCLA dizem que a novidade conta com nanopartículas que permitem o material ser produzido em altas quantidades a pequenos preços.

A tecnologia ainda não está pronta, mas o comunicado oficial mostra importantes avanços na pesquisa e desenvolvimento da novidade, que pode trazer soluções para o desenvolvimento urbano.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br

Tecnologia pode ser utilizada em janelas ou em telas de smartphones

  Lei proíbe que vidros de lan house sejam escurecidos com película fumê.

Agora é lei: os estabelecimentos que prestam serviços de acesso à internet, como "Lan Houses", "Cyber´s Café" e similares, estão proibidos de manter suas fachadas com películas do tipo fumê ou de utilizar qualquer outro material que impeça a visualização do interior de suas dependências. A Lei 6.396/13 foi publicada no Diário Oficial do Poder Executivo nesta sexta-feira (18/01) e é de autoria do deputado Alexandre Correa (PRB). Segundo o autor da norma, a visibilidade das fachadas garante a segurança dos usuários desses pontos de acesso à rede mundial de computadores.

“Considerando que os referidos estabelecimentos são frequentados, em sua grande maioria, por menores e diante do elevado índice de crimes envolvendo, crianças e adolescentes no interior desses estabelecimentos, a presente medida tem como finalidade tutelar bens como a vida e a integridade física dos usuários”, explica. Os estabelecimentos deverão adequar suas instalações no prazo máximo de 90 dias. O descumprimento da lei implica no pagamento de multa no valor de 1.000 Ufirs.

Fonte: www.alerj.rj.gov.br/common/noticia
Jan 2013

  Orientações sobre procedimentos para multas!

Os agentes dos departamentos de trânsito podem parar seu carro nas blitz pelo Brasil a fora. Mas, para aplicar multa por uso irregular de películas, devem ser respeitados os seguintes procedimentos estabelecidos na Deliberação 109/11 do Contran:

Abordagem: sempre deve ser feita pelo agente, para então efetuar autuação ou não.

Sobre a medição dos vidros: deve ser feita com um medidor de transmitância luminosa aprovado pelo Inmetro e homologado pelo Denatran. Hoje só existe uma marca disponível no país.

Sobre o auto de infração, é obrigatório constar no campo observações:

  • A medição realizada pelo aparelho (em valores percentuais)
  • A medição considerada para aplicação de penalidade
  • O limite regulamentar para a área envidraçada fiscalizada
  • A área envidraçada objeto da autuação
  • A marca/modelo/nº de série do medidor.

Como obter o valor da medição considerada para aplicação de penalidade:
Some 7% ao valor da medição (Port. 64/06 do Inmetro.)

Para películas refletivas, películas sem chancela ou com chancela ilegível:
Não é necessário o uso do medidor de transmitância luminosa. Ou seja, a autuação pode ocorrer apenas com a abordagem e avaliação do agente.

Atenção: Estas regras também são válidas para vidros escurecidos de fábrica, sem película, porém com transmitância luminosa abaixo do permitido (Res. 253 e 254/07).

>> Mais informações sobre a Deliberação 109/11

>> Instruções para auto de infração

 Abuso do Detran na fiscalização de película.

Proprietários de veículos e instaladores de película de Rondônia estão indignados com a falta de critério de policiais, para o uso da película. Multas estão sendo aplicadas de forma aleatória e os motoristas obrigados e retirarem a película dos vidros dos veículos, mesmo com o carimbo do Inmetro.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) adquiriu em 2011 nove aparelhos Translux, que estão sendo usados na fiscalização na capital e interior do Estado. Ocorre que o manual de instruções não está sendo lido pelos usuários. Regras importantes não estão sendo observadas.

O aparelho não pode ser usado à noite. Mas os agentes de trânsito estão fiscalizando com o equipamentos, multando e retirando a película, não importando o grau de transparência.

Outro item importante é que o manual recomenda que, após a medição, que deve ser feita à luz do dia, é preciso esperar 30 minutos para o aparelho ser utilizado novamente. “Não é isso que está sendo feito”, diz um proprietário de empresa especializada na colocação da película em Porto Velho.

Empresas especializadas e proprietários de veículos que foram notificados na capital terão encontro no próximo dia 15, com o vereador de Porto Velho Cláudio Carvalho (PT). Os participantes buscarão meios para contestar as multas e exigir que o aparelho seja utilizado de acordo com o manual de instruções do equipamento e não de forma aleatória.

O movimento nas empresas que trabalham na aplicação de película, segundo um dos proprietários ”caiu no mínimo pela metade. Nossos prejuízos estão sendo elevados em razão da não aplicação correta da resolução e do uso do aparelho medidor”, lamenta.

A rigidez dos agentes não é para todos. Viaturas da polícia e de autoridades circulam com até 100% da película.

Fonte: www.ouropretoonline.com
20/06/2012

 Detran vai fiscalizar películas em veículos.

O Detran começa a partir desta segunda-feira a fiscalizar as películas que serão utilizadas nos carros que circulam nas ruas e avenidas da capital.

A campanha visa educar e informar  os motoristas sobre a resolução e suas implicações por meio das vistorias e análise de infração. Inicialmente serão feitas visitas técnicas nas concessionárias e empresas que aplicam a película. Os técnicos irão verificar a luminosidade e a forma correta do uso de películas fumê.

A Polícia Militar vai usar os equipamentos recebidos em blitzens, com cinco medidores de transmissão luminosa das películas. O trabalho de fiscalização só vai às ruas a partir do início de abril.

Fonte: Blog do Luis Cardoso
17/03/2012

 PM e Detran/SE orientam condutores sobre uso correto de películas.

Preocupado com a segurança dos condutores e passageiros dos carros que circulam no estado, o Departamento Estadual de Trânsito de Sergipe (Detran/SE) adquiriu uma nova ferramenta de trabalho. Esta semana, o órgão entregou para as Companhias do Batalhão de Trânsito da PMSE (BPTran) -  CPRv e CPTran - dois aparelhos de medição de transmitância luminosa para fiscalização das películas em veículos, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Para o BPTran, o objetivo da aquisição medidor é possuir uma ferramenta a mais na fiscalização de implantação irregular de películas nos vidros dos carros. “A nossa intenção em portar esse material é apenas servir como parâmetro em casos de abuso no uso de películas. Entretanto, a fiscalização neste sentido se dará principalmente em relação à presença do selo dos fornecedores. Caso ele não exista, a situação será considerada irregular”, explica o comandante da Companhia de Policiamento de Trânsito (CPTran), capitão Fábio Machado.

O aparelho, que é aprovado e aferido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade (Inmetro) e homologado pelo Denatran, está habilitado para realizar medição da transmitância luminosa de vidros, películas, filmes e outros materiais aplicados nas áreas envidraçadas dos veículos. De acordo com as Resoluções 253 e 254 do Contran, a transmissão luminosa não poderá ser inferior a 75% para os vidros incolores dos para-brisas (frente) e 70% para as para-brisas coloridos e demais vidros indispensáveis à dirigibilidade do veículo (vidros dianteiros - lado do condutor e passageiro).

"É importante ressaltar que os vidros dos para-brisas dianteiros já vêm de fábrica com a transmitância de cerca de 75%. Por isso, é proibida a colocação de qualquer película nesse local, o que ultrapassaria o limite permitido", conta o comandante da CPTran.

Já para os vidros que não interferem nas áreas indispensáveis à dirigibilidade do veículo (vidros da parte traseira do veículo), a transparência não poderá ser inferior a 28%. “É importante lembrar que as películas refletivas, que são aquelas espelhadas, não podem ser aplicadas nas áreas envidraçadas dos veículos por serem proibidas pela legislação de trânsito”, explica Machado.

Ele aponta ainda que durante as fiscalizações o aparelho será utilizado em casos considerados abusivos. “O nosso alvo principal é a observação da existência do selo, entretanto, nos casos em que o agente de trânsito perceber abusos no uso da película, será utilizado o medidor para constatação da irregularidade, pois a nossa intenção é prezar pela segurança dos cidadãos”, indica.

O condutor que for flagrado dentro desses parâmetros pelas fiscalizações da CPRv ou da CPTran estará passível das penalidades previstas no inciso XVI do art. 230 do Código de Trânsito Brasileiro, ou seja, receberá uma multa no valor de R$ 127,69, perderá cinco pontos em sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e terá o veículo retido para regularização.

Regulamentação

A resolução 386, de 2 de junho de 2011, do Contran indica em seu Art. 4º que: “os vidros de segurança a que se refere esta Resolução deverão trazer marcação indelével em local de fácil visualização contendo, no mínimo, o índice de transmitância luminosa, a marca do fabricante do vidro e o símbolo de conformidade com a legislação brasileira definido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – Inmetro”.

Fonte: pm.se.gov.br
20/04/2012

 Película que escurece vidro de carro tem limite, mas motoristas abusam.

A legislação afirma que o vidro dianteiro do veículo só pode ser escurecido em 25%, mas tem muito motorista abusando e, pior, fazendo isso com a ajuda de instaladores.

Todos os dias, recebemos dos telespectadores comentários e sugestões de reportagens. Uma dúvida recorrente é sobre o uso daquela película que escurece os vidros dos carros. Ela é segura, é legal? A legislação afirma que o vidro dianteiro só pode ser escurecido em 25%. Mas nós sabemos que tem muito motorista abusando, e pior, fazendo isso com a ajuda de instaladores. É uma infração grave, que pode provocar acidentes.

Quem está fora não vê quem dirige. “Protege mais e dá mais segurança, porque evita o bandido de abordar de frente”, comenta um motorista.

“Esse tipo de vidro é chamado de película refletiva. E não pode ser usado. Por chamar a atenção de outros condutores, por causar um reflexo na hora que você vai atravessar, pode trazer alguns problemas”, aponta o Major Joselito Sarmento de Oliveira Jr, da Polícia Militar.

De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito, a película do para-brisa deve ter transparência de 75%. Nas janelas do motorista e do carona, 70%. E nos vidros traseiros, 28%. Quem desrespeitar a lei leva multa de R$ 127 e cinco pontos na carteira.

A cidade de São Paulo tem uma frota de sete milhões de carros. Muitos estão com os vidros mais escuros que o permitido, mas poucas são as multas para motoristas com insulfilm. No ano passado foram apenas sete mil.

“Já levei enquadro da polícia. Meio que me chamaram a atenção e pediram para eu nunca mais andar com o vidro fechado quando chegar próximo deles. Mas não mandaram tirar. A polícia não multou e mandou eu seguir”, conta uma mulher.

“Realmente, é um número pequeno. Nós estamos nos aperfeiçoando para chegar a uma melhor produtividade nesse sentido”, comenta o Major Joselito Sarmento de Oliveira Jr, da Polícia Militar.

Em uma oficina, de cada dez carros que chegam, oito saem com a película irregular. E os motoristas ainda contam com a ajuda dos instaladores para enganar a polícia.

Na película, deve ser aplicado um carimbo em relevo com a porcentagem de transparência, mas na prática quem define é o cliente, diz um instalador que não quer se identificar: “Aqui é o que o cliente manda. Às vezes, o cliente pede uma película mais escura do que o permitido e pede para por o carimbo permitido”.

“A fiscalização do policial é visual. Então, se o policial encontrar o veículo com a chancela estabelecendo os limites permitidos, ele se baseia nessa película, nessa chancela para a fiscalização. Nós acreditamos na boa fé do instalador e também do condutor”, diz o major da Polícia Militar.

Em São Paulo, a PM tem equipamentos que medem a transparência dos vidros, mas ainda são pouco usados. “Nós compramos equipamentos para a fiscalização e estamos ainda em teste”, diz Joselito Sarmento de Oliveira Jr.

Os especialistas e a polícia dizem que à noite a película escura atrapalha muito a visibilidade. O motorista tem dificuldades para enxergar obstáculos e pedestres. Quem for parado infringindo a lei, tem que retirar a película na hora. Caso contrário, o policial deve recolher o documento do veículo.

Fonte: Bom dia Brasil
21/03/2012

 Fiscalização de películas nos veículos pela PRE causa polêmica em Sta Rosa.

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) de Santa Rosa causa polêmica ao fazer com que motoristas retirem películas irregulares de seus veículos. Segundo a PRE as películas precisam estar de acordo com o Conselho Nacional de Trânsito.

O carro da equipe de reportagem da RBS TV também precisou retirar as películas escuras. Nem mesmo o carro oficial da Defesa Civil escapou da fiscalização.

Transparência permitida:

Para-brisa dianteiro: 75%
Vidros das laterais dianteira: 70% de transparência
Vidros laterais traseiros e vidros traseiros: 28% de transparência

Fonte: Portelaonline.com.br
26/04/2012

 Equipamento ajuda polícia a medir transparência de películas em carros.

Brigada Militar começou a usar o aparelho na última semana no RS. Quem estiver fora dos padrões leva R$ 127 de multa e 5 pontos na carteira.

Motoristas estão sendo orientados e multados no Rio Grande do Sul por causa do uso indevido de películas nos vidros dos automóveis. Desde a semana passada, a Brigada Militar começou a utilizar um equipamento que mede a transparência dos materiais durante as fiscalizações.

Segundo o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), o para-brisa tem que ter, no mínimo, 75% de transparência. Os vidros laterais dianteiros, 70%. Já os traseiros, 28%. Quem for flagrado fora destes padrões, está sujeito a multa e é obrigado a retirar o material.

O equipamento começou a ser utilizado nesta sexta-feira (27) em Santo Ângelo, na Região das Missões. Mas, por enquanto, os policiais apenas orientam os motoristas. “É uma oportunidade que tem o cidadão de regular”, diz um policial militar.

Em Santa Rosa, em uma semana, mais de 300 motoristas foram multados. “É uma infração grave. São R$ 127 de multa e cinco pontos na carteira”, alerta o comandante do Comando Rodoviário de Santa Rosa, Rogério Joel Jeske.

Antes de usar o aparelho, a Brigada Militar tinha como base o carimbo que é colocado no canto da película. Em muitos casos, a fiscalização descobre que a porcentagem indicada é diferente da apontada pelo equipamento.

O Procon alerta que a responsabilidade de vender e informar o consumidor sobre os níveis adequados é do comerciante. “Ele deveria ter no estoque de materiais somente as películas autorizadas pela legislação”, diz a coordenadora do Procon de Santa Rosa, Lila Pitta Pinheiro.

Mas os comerciantes que instalam essas películas nos carros afirmam que nem mesmo os fornecedores garantem o cumprimento da legislação. “A gente fala com os representantes e eles também não tem a certeza de qual película que é a certinha no vidro”, garante Carlos Eduardo Bebba, que presta o serviço.

Fonte: G1
27/04/2012
0

  Sindirepa-SP orienta sobre cuidados com automóvel no verão

O verão chegou e os cuidados devem ser redobrados não só com a saúde do corpo, mas também com automóvel. A chegada das altas temperaturas é um convite para viagens à praia nos fins de semana ou até mesmo nas férias. Mas, para continuar garantindo as boas condições do veículo, é preciso tomar algumas atitudes simples como inserir protetores sanfonados no parabrisa ou utilizar películas protetoras de vidros.

“As películas escurecem os vidros, diminuem o calor no interior do automóvel, evitam o desgaste dos estofamentos e áreas plásticas do veículo, além de ser uma proteção maior contra furtos e assaltos”, afirmou Silvio Rivarolla, diretor do Sindirepa-SP (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo).

Segundo Rivarolla, os protetores também são importantes n o verão porque o sol pode ressacar estofados de couro. “Lojas especializadas podem aplicar produtos para proteger os bancos”, comentou.

Já a pintura, apesar dos veículos, hoje, contarem com o verniz, uma proteção excelente que já vem de fábrica, há polidores que formam mais uma película protetora. Ele cita alguns serviços que podem cuidar da pintura, como o espelhamento, revitalização ou cristalização. “Alguns destes tratamentos ajudam, inclusive, a remover riscos superficiais”, disse o diretor da entidade.

Lavar o automóvel maior número de vezes no verão também é recomendado, especialmente, se ocorrer contato com a maresia. Ele lembra que, no verão, as altas temperaturas alteram a calibragem dos pneus. “É preciso ficar atento porque há perda de calibragem nos pneus”, enfatizou.  

Em relação à parte mecânica, especialmente antes de viajar, o diretor da entidade aconselha a conferir o nível do líquido de arrefecimento, do óleo do motor e fazer uma manutenção preventiva, verificando velas, bomba d’água, correia e mangueiras."

Fonte: Redação Planeta Seguro

  ABRAWF de olho...

Em maio passado, dois estados brasileiros mostraram interesse na aquisição do Medidor de Transmitância Luminosa. O Detran de Pernambuco teve a compra direta autorizada devido a “Inexigibilidade de licitação”,  com base art. 25, inciso I, da Lei Nº 8.666/93. Já no Rio Grande do Sul, a licitação aconteceu na modalidade de Pregão, realizado no dia 30 e concluído como FRACASSADO.

Tenha mais detalhes destes processos aqui.

(download PDF da Licitacao Translux)